SIMONE NOS E.U.A.

FOTOS   VÍDEOS   IMPRENSA   LOCAIS&DATAS   FOLDER   DISCOS   CURIOSIDADES&HISTÓRIAS


O Canto da Cigarra Em Whitewater, Plateville (Wisconsin), Lawrence (Kansas), Iowa City (Iowa), Washington (D.C.), Nova York (Nova York), Detroit (Michigan), Flint, Sacramento, Berkeley, San Diego, Los Angeles, San Francisco, Fresno, Davis (California), Portland (Oregon), Sockane, Walla Walla, Pullman (Washington), Illinois (Chicago), Landover (Maryland), Miami (Flórida)

Pelo-Mundo-EUA
O material a seguir é relacionado a alguns momentos de Simone nos Estados Unidos, com destaque para suas apresentações em 1974, turnê ‘Festa Brazil‘; 1998, com ‘Brasil – O Show’1999, show ‘Brazilian Affair – Homenagem a Tom Jobim‘ realizado no Carnegie Hall, com vários artistas e em 2006 com o show ‘Simone‘. Há também outros momentos da cantora no país.

 

 

“… A elegância e simplicidade de Simone, os seus cabelos desalinhados, uma cantora popular que vagueia ao redor do palco descalça, não encontra resistência por parte das Três Marias (do Viva Bahia) que a acompanham, vestidas com as tradicionais saias brancas rodadas da Bahia. Armadas com microfones portáteis, como Simone, elas encontram-na no seu terreno em meio à sua música popular …”

(Anna Kisselgoff , The New York Times, EUA, 10.04.1974)

 

Simone e Hermínio Bello de Carvalho
Simone e Hermínio Bello de Carvalho em frente ao Madison Square Garden em New York, EUA, durante a temporada de ‘Festa Brasil’, em 1974

 


FOTOS

1974 | Temporada do show ‘Festa Brazil’
Simone e Hermínio Bello de Carvalho em frente ao Madison Square Garden, New York
(As apresentações foram no Felt Forum, parte do Complexo MSG)
Fotos: Acervo Hermínio Bello de Carvalho

 

 

1999 | Show ‘Brazilian Affair’
Vários Artistas – Homenagem a Tom Jobim
Carnegie Hall – Nova York, E.U.A. – 24.09.1999
Fotos: Acervos Angela Bosco e Cesar Camargo Mariano

Encontro histórico em Homenagem a Tom Jobim no Carnegie Hall em New York, com a participação de Simone e vários artistas: César Camargo Mariano (piano e arranjos), Mark Walker (bateria), João Bosco (vocal), Mark Soskin (piano), Mariano-Lubambo Duo, James Ingram (vocal), Michael Brecker (sax), Romero Lubambo (guitarra), Marcelo Mariano (bass guitar), Cyro Baptista (percussão), New York Voices, Judith King (host), Paula Robison (flauta).
 

 

2006 | Show  ‘Simone’
Participação Especial de Ivan Lins
Au-Rene Theater – Broward Center | Miami, EUA – 18.08.2006
Fotos: Acontece.com, Bill Paparazzi, Jefferson Simizu

 

VÁRIAS DATAS E OCASIÕES
Outros momentos de Simone nos E.U.A. – ou com artistas norte-americanos

 


VÍDEOS

VÁRIOS ARTISTAS | ‘Cantare, cantaras’ (A.Hammon/ J.C.Calderon/ Anahi)
Making Of e videoclipe – Projeto ‘Hermanos’
Gravado em 09 de abril de 1985 – Los Angeles – E.U.A.


 

SIMONE | Me Chama (Lobão)
Videoclipe – Direção: Roberto Talma
1987 | Gravado em New York – E.U.A.


 

SIMONE e JULIO IGLESIAS | ‘Brigas’ (Jair Amorim/Evaldo Gouveia)
Videoclipe
1991 | Gravado no Criteria Studios – Miami – E.U.A


 

SIMONE | Mi Amor (Stevie Wonder – adaptação Roberto Livi)
Videoclipe
1998 | Gravado em Miami – E.U.A.


 

SIMONE | Loca (Willie Nelson – adaptação R. Livi)
Videoclipe
1998 – Gravado em Miami – E.U.A.


 

SIMONE | BRTV ONLINE
Por Neuza Martinez
20.08.2006 | Gravada em Miami – E.U.A.


Entrevista e trechos do show ‘Simone’ (que contou com a participação especial de Ivan Lins), realizado no Au-Rene Theater – Broward Center em Miami, EUA – 18.08.2006
 


IMPRENSA

1974 | Festa Brazil
 

 


 

DESTAQUE IMPRENSA

The New York Times | 10.04.1974

 

A DANÇA: FESTA BRASIL
Um grupo baiano incomum mistura ritos rurais com números Pop
‘Festa Brasil’, um grupo incomum do Estado nordestino brasileiro da Bahia, que engloba tanto o folclore quanto o popular estreou ontem à noite no Felt Forum para uma temporada que estará em cena até 21 de abril. O grupo é a última de uma série de grupos étnicos que vêm atuando desde outubro, sob o tema ‘Festival Internacional de Entretenimento’.
 
A maioria das atuações têm sido de grupos de dança, apesar das canções e instrumentos populares nunca estarem afastados destas apresentações teatrais étnicas. ‘Festa Brasil’, no entanto, tem quase uma categoria própria. Pode ser chamada de revista, mas isso não seria uma classificação precisa. Suas apresentações realmente espelham a idéia de que o Brasil é uma terra de contrastes.
 
O mais interessante é que estes contrastes permitem – como em ‘Festa Brasil’ – a combinação de uma sofisticada banda e cantora de boate urbana com uma atuação que enfatiza rituais de uma cultura rural ancestral. E isto sem causar estranheza. A estudada elegância e simplicidade de Simone, os seus cabelos desalinhados, uma cantora popular que vagueia ao redor do palco descalça, não encontra resistência por parte das Três Marias que a acompanham, vestidas com as tradicionais saias brancas rodadas da Bahia. Armadas com microfones portáteis, como Simone, elas encontram-na no seu terreno em meio à sua música popular.
 
Liderados por João de Aquino, um guitarrista e compositor de renome nacional, os músicos estão separados dos números com maior sabor folclórico. No entanto, a base de samba da música popular brasileira, também evoca a sua fonte, retratada nas danças. Certamente, esta atuação é obrigatória para os devotos de pop e jazz brasileiro.
 
O grupo, dirigido por Hermínio Bello de Carvalho, enfatiza a herança da população negra, descendente de ex-escravos, que vive na Bahia. Algumas das partes mais interessantes do programa são os cerimoniais mais diretamente influenciados por rituais africanos, como o Candomblé ou as danças combativas de escravos, como a Capoeira e o Maculelê.
 
A ferocidade e vigor com que estes jovens se atacam uns aos outros não deixa espaço para sutilezas, e ainda assim, eles executam a luta com precisão coreográfica. A Capoeira é a mais famosa dança do Brasil depois do samba (também no programa) e Katharine Dunham apresentou versões teatralizadas desta arte marcial de pontapés altos disfarçada de dança. ‘Festa Brasil’ ofereceu uma visão menos dócil, e foi emocionante.
 
Anna Kisselgoff , The New York Times, EUA, 10 de abril de 1974 | (Traduzido por Joana Fernandes)
 
 

VÁRIAS DATAS – Diversas matérias relacionadas a Simone nos E.U.A.

 


 

DESTAQUE IMPRENSA

Miami Herald – 31.07.1998

 

Na luz do entardecer, enquanto ela passeia no lobby do Hotel Coconut Grove com os seus óculos de sol redondos e esportivos, jeans casual e uma camiseta larga, Simone Bittencourt de Oliveira, mais conhecida como Simone, se assemelha a uma turista comum. Em seguida, ela te cumprimenta e a sua voz é inconfundível. Mesmo seu ‘Olá’ soa como se a palavra estivesse a ser cantada.
 
É uma voz que, como Chris McGowan e Ricardo Pessanha observaram no livro ‘The Brazilian Sound’, ‘pode seduzir como uma amante, confortar como uma mãe ou encantar como uma sereia’.
(…)
Para cantores brasileiros, cantar em espanhol não é nada novo, na verdade, ‘Loca’ é o quinto álbum de Simone em espanhol. Mas nos últimos anos, isso se tornou uma tendência na música popular brasileira – uma tendência que está atraindo críticas por ser ‘grosseiramente’ comercial.
Perguntada sobre se há um elemento de calculismo comercial aqui, Simone cruza os braços e diz: ‘Eu fiz isso por minha vontade, minha convicção – porque eu sou teimosa, e eu amo cantar variados estilos de música. Se eu acertar ou errar, se vender ou não, não é problema meu. A minha parte é cantar, e eu fiz isso’.
 
Nascida em Salvador, Bahia, no Nordeste do Brasil, Simone foi uma professora de Educação Física, jogadora de basquete e cantora amadora antes de ser convidada para fazer um teste de gravação para um produtor que a ouviu durante um jantar. Isso a levou ao seu primeiro lançamento, ‘Simone’ (1973). A turnê subseqüente pela Bélgica, Alemanha e França a estabeleceu como uma das vozes principais do cenário musical brasileiro.
 
Como cantora ela tem um fraseado impecável, sutilmente sombreando cada palavra. Mas cantar em uma língua que não a sua própria?
‘É muito difícil’, diz ela. ‘Eu não tenho um domínio da língua, e eu normalmente gosto de cantar fechando os olhos e apenas viver as emoções da música, das letras’.Ela tem uma grande variedade de estilos, mas diz que o show de sábado vai apenas sugerir isso.
‘É impossível fazer tudo. Mas eu gostaria de voltar com uma Escola de Samba com 15 componentes compartilhar esses ritmo com as pessoas aqui’.
 
FERNANDO GONZALEZ, Miami Herald, Miami, EUA, 31.07.1998
 

LOCAIS & DATAS

1974 | Show ‘Festa Brazil’
Simone, João de Aquino e Grupo Folclórico Viva Bahia

 
27 de março – Whitewater, Wisconsin
27 de março – Plateville, Wisconsin
28 de março – Lawrence, Kansas
29 de março – Iowa City, Iowa
30 de março – Kennedy Center Os Perfoming Arts, Washington D.C
31 de março – Brooklin Academy Of Music, Nova York
5 de abril – Brooklin Academy Of Music, Nova York
9 a 21 de abril – Felt Forum do Madison Square Garden, Nova York
22 a 28 de abril – Detroit, Michigan
29 de abril a 3 de maio – Davis, California
4 de maio – Flint, California
5 de maio – Sacramento, California
6 e 7 de maio – Berkeley, California
8 de maio – San Diego, California
9 e 10 de maio – Los Angeles, California
11 de maio – San Francisco, California
12 de maio – Fresno, California
16 e 17 de maio – Opera House, Oregon
18 de maio – Sockane, Washington
19 de maio – Walla Walla, Washington
20 de maio – Pullman, Washington
21 e 22 de maio – New Opera House, Washington
23, 24 e 25 de maio – Illinois, Chicago
28 e 29 de maio – Landover, Maryland
 
Total de 58 apresentações em 52 dias
 
1998
Show ‘Brasil’ | Simone
Jackie Gleason Theater, Miami, EUA
01.08.1998

 

1999
Show ‘Brazilian Affair’ – Homenagem a Tom Jobim| Vários Artistas
 
com Simone (vocalista) César Camargo Mariano (piano e arranjador), Mark Walker (bateria), João Bosco (vocalista), Mark Soskin (piano), Mariano-Lubambo Duo, James Ingram (vocalista), Michael Brecker (saxofonista), Romero Lubambo (guitarra), Marcelo Mariano (bass guitar), Cyro Baptista (percussão), New York Voices, Judith King (host), Paula Robison (flauta).
Carnegie Hall – Nova York, EUA
24.09.1999

 

2006
Show ‘Simone’ | Simone
Participação Especial de Ivan Lins
Au-Rene Theater – Broward Center – Miami, EUA
18.08.2006
 


ARQUIVOS RELACIONADOS

FOLDER
1998 | ‘Brasil – O Show’ | Simone
Jackie Gleason Theater
Miami, EUA, 01.08.1998
(Acervo Renato Fragoso/ ‘Sonho & Realidade’)
 

 


DISCOS

ALGUNS álbuns de Simone lançados/prensados nos E.U.A.

VÍCIO
(P) 1987 COLUMBIA/CBS – Internacional
(Edição E.U.A.)


Os fonogramas são os mesmos do álbum ‘Vício’ lançado no Brasil.

 

VEJA O ENCARTE - LP  

LA DISTANCIA
(P) 1993 SONY Latin – Internacional
(Edição E.U.A.)


O álbum faz parte da discografia oficial de Simone – não lançado no Brasil.

 

VEJA O ENCARTE - LP 
VEJA O ENCARTE - CD 
VEJA O ENCARTE - K7  

LAS 30 MEJORES CANCIONES (coletânea)
(P) 1997 SONY Latin – Internacional
(Edição E.U.A.)


Os fonogramas são os mesmos dos álbuns lançados no Brasil.

 

VEJA O ENCARTE - CD duplo  

25 DE DICIEMBRE
(P) 1996 POLYGRAM Latino –  Internacional
(Edição E.U.A.)


VERSÕES INÉDITAS (EM ESPANHOL)


Llegó Navidad (Happy Xmas war is over)
(John Lennon/Yoko Ono – adaptación de Graciella Carballo)
El Regreso (O Velhinho)
(Octávio Filho – adaptación de Karen Guindi)
Que Bonito es Vivir! (What a Wonderful World)
(G.D. Weiss/B.Thiele – adaptación de Camilo Murillo)
Navidad de los Niños (Natal das Crianças)
(Blecaute – adaptación de Karen Guindi)


Os demais fonogramas são os mesmos do álbum ’25 de Dezembro’ lançado no Brasil (Edição 1996). O álbum faz parte da discografia oficial de Simone. Versão em espanhol não lançada no Brasil.

 

VEJA O ENCARTE - CD  

LOCA
(P) 1998 POLYGRAM Latino – Internacional
(Edição E.U.A.)


VERSÃO INÉDITA


Mi Amor (Stevie Wonder) adaptacion en español: Roberto Livi – com participação especial de Daniela Romo


O álbum faz parte da discografia oficial de Simone. Na edição lançada no Brasil (PolyGram) não há a participação de Daniela Romo na faixa ‘Mi Amor (My Love)’.

VEJA O ENCARTE - CD  

 


 

CURIOSIDADES & HISTÓRIAS

Alguns artistas norte-americanos com os quais Simone já trabalhou
 
George Duke (participa do álbum ‘Brazilian love affair‘, 1980), Don Grusin (arranjador no álbum ‘Vício’, 1987), Quincy Jones (apresenta-se no MONTREUX JAZZ FESTIVAL, 1991 e 1992, ao lado de Quincy), James Taylor (com ele e outros artistas, participa do show ‘Natal Sem Fome – campanha idealizada por Herbert de Souza’, em Belo Horizonte MG,1993), Dionne Warwick (participa do show ‘Dionne Warwick e Amigos’, em São Paulo, 2007, para a gravação de CD e DVD – prometidos e ainda não lançados).
 
 
 
Simone por Chris McGowan e Don Grusin
 
Foto: Divulgação“Ela tem um tipo de fraseado que é provavelmente único. Ela é realmente uma mestre da fraseologia, como costumavam dizer sobre Sinatra. Mesmo quando ela emite algumas notas e palavras e chegando ao final a sua voz se transforma ligeiramente, ela me arrepia”. (Don Grusin)
 
“Sua voz profunda e melodiosa é tão sedutora quanto a de uma amante, reconfortante como a de uma mãe, tentadora como a de uma sereia. Simone tem uma presença de palco que é elegante, sexy e imponente”. (Chris McGowan e Ricardo Pessanha)
 

(THE BRAZILIAN SOUND: Samba, Bossa Nova, and the Popular Music of Brazil – Chris McGowan e Ricardo Pessanha – 1998, E.U.A.)
 
 
Poema de Hermínio musicado por Simone
 
Em 1974, Detroit, EUA, Hermínio Bello de Carvalho escreveu para Simone um poema (manuscrito abaixo), posteriormente musicado por ela. A música inédita, nunca gravada, foi informalmente apresentada por Simone durante uma entrevista a Aramis Millarch, em 1976.
 

“Se não valeu a pena
o que se amou
se não basta ao coração
o preço que ele pagou?
ou não foi suficiente
crucificar todo o corpo
e maldizer-se das portas
que, uma a uma, trancou?
 
Coração, coração
que julgamento perdeste
por que tal condenação?
se nada valeu a pena
o que valeu a pena, então?”
(Simone e Hermínio Bello de Carvalho, 1974)
 
 
[audio:http://simonepedacos.com/wp-content/uploads/2012/12/Se-nao-valeu-a-pena-1976.mp3]