NA VEIA (2009)

   Letras | Encarte | MúsicosFicha Técnica | Apresentação | Fotos | Imprensa | Ouça  


NA VEIA

Simone
(P) 2009 BISCOITO FINO   (39o. álbum)



 
1. LOVE
 
Love
(Paulo Padilha)
 
Quero que você me traga
Que você me trague
Quero que você me trombe
Que você me estrague
 
Quero que você me beije, baby
Que me beba e babe
Quero que você me pinte
Que me pegue e pague
 
Que você me cubra
Que você me cobre
Que você me cure
Que você me core
Que você me cace
Que você me coce
 
Quero que você me adote
Que você me adore
Quero que você me exploda
Que você me explore
 
Quero que você me cheire
Que você me chore
Quero que você me xingue
Que você me choque
 
Que você me livre
Que você me leve
Que você me lavre
Que você me lave
Que você me louve
Que você me love
 
Traga, trague, pegue, pague, xingue, explore
Cheire, chore, choque, livre, leve, love
 
Arranjo – Luis Brasil
Violão/ Guitarra – Luis Brasil
Teclados – Paulo Calazans
Guitarra – Walter Villaça
Baixo Elétrico – Jamil Joanes
Bateria – Carlos Bala
Percussão – Sidinho Moreira
Sax Tenor – Carlos Malta
 
2. CERTAS NOITES
 
Certas noites
(Dé Palmeira/ Adriana Calcanhoto)
 
Pra você não dizer algum dia, meu bem
Que eu não avisei
Certas noites eu sou só do samba, eu sou da orgia
Nessas noites você não me encontra, meu bem
Nem dentro da lei
Às vezes eu vou deixar a razão pela folia
 
E vazar
E desaparecer
E sequer olhar pra trás
E desaparecer
Me perder, me adiantar
E desaparecer
E deixar o samba me levar
 
Não me venha dizer algum dia, meu bem
Que eu te enganei
Certas noites eu sou só do samba, eu sou da orgia
Nessas noites você não me encontra, meu bem
Nem dentro da lei
Às vezes eu vou deixar a razão por poesia
 
E ralar
E desaparecer
E sequer olhar pra trás
E desaparecer
Me perder, me adiantar
E desaparecer
E deixar o samba me pegar
 
E rapar
E desaparecer
E sequer olhar pra trás
E desaparecer
E perder o celular
E desaparecer
E deixar o samba me levar
 
E vazar
E desaparecer
E sequer olhar pra trás
E desaparecer
Me perder, me adiantar
E desaparecer
E deixar o samba me levar
 
Arranjo- Simone e Julinho Teixeira
Teclados – Julinho Teixeira
Guitarra – Walter Villaça
Baixo Elétrico – Fernando Souza
Bateria – Jurim Moreira
Percussão – Pretinho da Serrinha
Pandeiro/ Tamborins – Marcos Suzano
 
3. MIGALHAS
 
Migalhas
(Erasmo Carlos)
 
Sinto muito
Mas não vou medir palavras
Não se assuste
Com as verdades que eu disser
 
Quem não percebeu
A dor do meu silêncio
Não conhece
O coração de uma mulher
 
Eu não quero mais ser
Da sua vida
Nem um pouco do muito
De um prazer ao seu dispor
 
Quero ser feliz
Não quero migalhas
Do seu amor
Do seu amor…
 
Quem começa
Um caminho pelo fim
Perde a glória
Do aplauso na chegada
 
Como pode
Alguém querer cuidar de mim
Se de afeto
Esse alguém não entende nada
 
Não foi esse o mundo
Que você me prometeu
Que mundo tão sem graça
Mais confuso do que o meu
 
Não adianta nem tentar
Maquiar antigas falhas
Se todo o amor
Que você tem pra me oferecer
São migalhas, migalhas…
 
Arranjo- Nelson Ayres
Piano e Teclados – Nelson Ayres
Violão e Guitarra – Ricardo Silveira
Guitarra – Walter Villaça
Baixo Elétrico – Jorge Helder
Bateria – Carlos Bala
Percussão – Marçal
 
4. NA MINHA VEIA
 
Na minha veia
(Zé Catimba/ Martinho da Vila)
 
Eu quero você na minha veia
Porque você é meu sangue
Desejo você sem engodo
Ser o vegetal do seu lodo
E você a flor do meu mangue
 
Você é uma lua cheia
Que lá no meu céu descamba
Porém não é só minha musa
Na minha cabeça confusa
Você é o meu próprio samba
 
Riqueza da minha rima
O verso da poesia
Gostosa gastronomia
A minha ideologia
E de olorum obra prima
 
Meu Deus, como eu quero você!
 
Arranjo – Rildo Hora
Teclados – Julinho Teixeira
Violão – Claudio Jorge
Violão 7 Cordas – Carlinhos 7 Cordas
Cavaquinho – Wanderson Martins
Percussão – Marçal/ Trambique/ Pretinho da Serrinha/ Gordinho
Baixo Elétrico – Jorge Helder
Bateria – Jurim Moreira
Flauta – Dirceu Leite
Clarinete – Edu Morelembaum
Bandolim/ Violão Tenor – Marcilio Lopes
 
5. BEM PRA VOCÊ
 
Bem pra você
(Marina Lima/ Dé Palmeira)
 
Eu vim trazer
Só sentimentos
Que façam você ficar bem e feliz
 
Não que eu não tenha sabido
Dos seus brilhos e vinhos e tal
Mas me faltava poder conviver
E obter uma prova cabal
 
Desse carisma
Que apaixona
Até os mais desinteressados
Dos mortais
 
Fico a imaginar
O seu rosto, seu gosto ao ver
O que há muito eu queria mandar
Pra você
 
Às vezes a timidez atrapalha
E ficamos a ver navios em vão
 
Mil sensações
Mil atrativos
Me fazem querer viajar
Nessa luz
 
Sinto a onda bater
Mergulho bem fundo no mar
E pesco palavras do bem
Pra você
 
Arranjo – Simone e Julinho Teixeira
Piano e Teclados – Julinho Teixeira
Violão e Guitarra – Walter Villaça
Baixo Elétrico – Jorge Helder
Bateria – Jurim Moreira
Percussão – Marçal/ Marcos Suzano
 
6. GERALDINOS E ARQUIBALDOS
 
Geraldinos e Arquibaldos
(Gonzaga Jr)
 
Mamãe não quer, não faça
Papai diz não, não fale
Vovó ralhou, se cale
Vovô gritou, não ande
 
Placas de rua, não corra
Placas no verde, não pise
No luminoso, não fume
Olha o hospital, silêncio
 
Sinal vermelho, não siga
Setas de mão, não vire
Vá sempre em frente, nem pense
É contramão
 
Olha cama de gato
Olha a garra dele
Cama de gato
Melhor se cuidar
 
No campo do adversário
É bom jogar com muita calma
Procurando pela brecha
Pra poder ganhar
 
Acalma a bola, rola a bola
Trata a bola, limpa a bola
Que é preciso faturar
 
E esse jogo tá um osso
É um angu que tem caroço
É preciso desembolar
 
E se por baixo não tá dando
É melhor tentar por cima
Ui, com a cabeça dá
 
Você me diz que esse goleiro
É titular da seleção
Só vou saber, mas é quando eu chutar
 
Matilda, Matilda
No campo do adversário
É bom jogar com muita calma
Procurando pela brecha
Pra poder ganhar
 
Arranjo – Luis Brasil
Guitarra e Violão – Luis Brasil
Baixo elétrico – Jorge Helder
Piano e Teclados – Paulo Calazans
Bateria – Jurim Moreira
Percussão – Sidinho Moreira
Sax Alto – Ze Canuto
Sax Tenor – Marcelo Martins
Trombone – Aldivas Ayres
Trumpete – Bruno Santos
 
7. HÓSTIA
 
Hóstia
(Marcos Valle/ Erasmo Carlos)
 
Hóstia
Tão divina
Que eu quero degustar
Me lava e me incendeia
Como o tesão do mar
 
Nada
No céu da minha boca
Deságua no meu lar
E se possível pra ficar
 
Nas dunas do seu corpo
Onde eu quero passear
Apagar a trilha
Me perder pra não voltar
 
Me acha
Pouco a pouco
Me adota e então me diz
Se nessa praia
Eu posso ser feliz
 
Se paixão é isso
Seja como for
Dessa tempestade
Eu quero pingos de amor
 
Arranjo – Nelson Ayres
Piano e Teclados – Nelson Ayres
Teclados – Julinho Teixeira
Violão de aço – Ricardo Silveira
Violão de aço e Guitarra – Walter Villaça
Baixo Elétrico – Jorge Helder
Bateria – Carlos Bala
Percussão – Marçal
 
8. PAGANDO PRA VER
 
Pagando pra ver
(Nonato Luis/ Abel Silva)
 
Olha meu bem
Quando você me encontrar andando sozinho
Nada além
De uma pessoa feliz que conhece o seu caminho
 
Eu sei de cor
As palavras daquele velho ditado
Antes só
Mas bem que eu queria você aqui ao meu lado
 
Ainda agora eu ia ali
Ia pensando em você, pensando em você
Nesse seu jeito de dizer as coisas, todas as coisas
Pagando pra ver
 
Se a juventude dessa brisa que sopra da sua boca
Soprasse pra mim
Você sorri e é mesmo assim como quem troca de roupa
Quem dera o seu sim
 
Mas tudo bem
Eu não nasci pra ser escravo do ciúme
Mas sei também
Que a sua flor tem mais espinho que perfume
 
Tudo em paz
Eu quero o sol dourando a sua cabeleira
E quero mais
A emoção de te ter por uma noite inteira
 
Arranjo – Simone e Nelson Ayres
Violão e Guitarra – Ricardo Silveira
Baixo Elétrico – Jorge Helder
Bateria – Carlos Bala
 
9. VALE A PENA TENTAR
 
Vale a pena tentar
(Simone/ Hermínio Bello de Carvalho)
 
Talvez eu te proponha a coisa certa
No caso a questão é se tentar
Mas sempre que eu deixei a porta aberta
Você veio correndo pra fechar
 
E eu fico sem vergonha me arrastando
E sem ter por que
As vezes que te penso não são poucas
E as noites que não durmo são bastantes
As vezes que recordo são constantes
E as vezes que não volto sofro mais
 
Você me amedronta e me apavora
Não sei por que
Me deixa ocupar a tua insônia
Me deixa devastar teus pensamentos
Me deixa percorrer teus sentimentos
Até me exaustar
 
Talvez eu te proponha a coisa incerta
Mas sempre vale a pena se tentar
 
Arranjo – Nelson Ayres
Piano e Teclados – Nelson Ayres
Violão e Guitarra – Ricardo Silveira
Baixo Elétrico – Jorge Helder
Bateria – Jurim Moreira
Percussão – Marçal e Marcos Suzano
 
10. AME
 
Ame
(Paulinho Da Viola / Elton Medeiros)
 
Ame
Seja como for
Sem medo de sofrer
Pintou desilusão
Não tenha medo não
O tempo poderá lhe dizer
 
Que tudo
Traz alguma dor
E o bem de revelar
Que tal felicidade
Sempre tão fugaz
A gente tem que conquistar
 
Por que se negar?
Com tanto querer?
Por que não se dar,
Por quê?
Por que recusar,
A luz em você
Deixar pra depois,
Chorar… Pra quê?
 
Arranjo – Rildo Hora
Piano – Julinho Teixeira
Violão – Claudio Jorge
Violão 7 Cordas – Carlinhos
Cavaquinho – Wanderson
Cuíca – Pretinho da Serrinha
Baixo Elétrico – Jorge Helder
Bateria – Jurim Moreira
Flauta – Dirceu Leite
Clarinete – Edu Morelembaum
Bandolim / Violão Tenor – Marcilio Lopes
Percussão – Marçal / Trambique / Pretinho da Serrinha / Gordinho
 
11. DEFINIÇÃO DA MOÇA
 
Definição da moça
(Adriana Calcanhoto / Ferreira Gullar)
 
Como defini-la
Quando está vestida
Se ela me desbunda
Como se despida?
 
Como defini-la
Quando está desnuda
Se ela é viagem
Como toda nuvem?
 
Como desnudá-la
Quando está vestida
Se está mais despida
Do que quando nua?
 
Como possui-la
Quando está desnuda
Se ela toda é chuva?
Se ela toda é vulva?
 
Arranjo – Luis Brasil
Violão / Guitarra e Programações – Luis Brasil
Violão e Guitarra – Walter Villaça
Baixo Elétrico – Jorge Helder
Bateria – Jurim Moreira
Violoncelo – Yura Radewsky
 
12. DEIXA EU TE AMAR
 
Deixa eu te amar
(Agepê / Ismael Camillo / Mauro Silva)
 
Quero ir na fonte do teu ser
E banhar-me na tua pureza
Guardar em pote gotas de felicidade
Matar saudade que ainda existe em mim
 
Afagar teus cabelos molhados
Pelo orvalho que a natureza rega
Com a sutileza que lhe fez a perfeição
Deixando a certeza de amor no coração
 
Deixa eu te amar
Faz de conta que sou o primeiro
Na beleza desse teu olhar
Eu quero estar o tempo inteiro
 
Quero saciar a minha sede
No desejo da paixão que me alucina
Vou me embrenhar nessa mata só porque
Existe uma cascata que tem água cristalina
 
Aí então vou te amar com sede
Na relva, na rede, onde você quiser
Quero te pegar no colo
Te deitar no solo e te fazer mulher
 
Deixa eu te amar
Faz de conta que sou o primeiro
Na beleza desse teu olhar
Eu quero estar o tempo inteiro
 
Arranjo – Simone e Julinho Teixeira
Teclados – Julinho Teixeira
Violão – Claudio Jorge
Baixo elétrico – Fernando Souza
Bateria – Jurim Moreira
Percussão – Pretinho da Serrinha


 

 
FICHA TÉCNICA
 
Idealizado por Simone
Produzido por Rodolfo Stroeter e Simone
Direção Musical Simone e Rodolfo Stroeter
Gravado e mixado por Gabriel Pinheiro
Assistente de estúdio Gustavo Krebs
Masterizado por Carlos Freitas na Classic Master
Produção executiva Pedro Seiler e Marília Aguiar
Assistentes de produção Joana Figueiredo e Bianca Bunier
 
Fotografia Leo Aversa
Maquiagem e Cabelo Marcio Granado
 
Gravado e mixado em junho/julho 2009 no Estúdio Biscoito Fino. 
Uma realização Biscoito Fino
Direção geral Kati Almeida Braga
Direção artística Olivia Hime
Gerencia de produto Martinho Filho
 
FORMATO
 
2009 – Biscoito Fino – CD (BF 936)
 
 
MÚSICOS
 
Relacionados individualmente em cada faixa.
 
 
AGRADECIMENTOS  
“Muito obrigada a todos que participaram desse trabalho, em que o amor é cantado de todas as formas que me foi apresentado e presenteado.
Então, agradeço aos amores de todos e ao meu amor.
A toda equipe da BF, aos músicos, compositores e aos meus amigos: Kati, Olívia, Martinho, Rodo, Gabriel, Pedro, Faour, Gustavo, Marília, Melê, Márcio, Ricardo Leão, ZD, Eras, Bela, Lela, Jô, Leila, Silvana Cardoso, PCCB, Dad, Carlos Fernando, Josee, minha Babi Pirulita Princesa, JVG, Silu, aos meus irmãos, minha enorme família e aos meus fãs. Beijos”. 
Simone
 
(P) 2009 Biscoito Fino
 

 

 
APRESENTAÇÃO

SIMONE
na veia
 
 
Novo disco da cantora, pela Biscoito Fino, traz inéditas de Adriana Calcanhotto, Erasmo Carlos, Martinho da Vila, Marina e uma composição da própria Simone em parceria com Herminio Bello de Carvalho.
“Acalma a Bola, rola a bola, trata a bola, limpa a bola que é preciso faturar. É bom jogar com muita calma, procurando pela brecha pra poder ganhar”. Os versos de Gonzaguinha – compositor bissexto na trajetória de Simone – em Geraldinos e Arquibaldos sintetizam um pouco a atual fase da cantora: no auge da maturidade artística, lança um disco essencial, sereno e fiel às próprias convicções. SIMONE na veia é, antes de mais nada, um disco de Simone. Não é qualquer cantor que pode se orgulhar de ter uma assinatura tão marcante, independente do que ele cante. Simone pode. E depois de quase quatro décadas de uma bem sucedida carreira, isso se evidencia como nunca antes. O que torna possível, num disco como esse, que contempla compositores de universos tão distintos, uma unidade da primeira à ultima faixas:

– Eu sempre falei e cantei o amor. Para este trabalho, liguei para todos os compositores que me enviaram canções, ou até mesmo os encontrei, e disse: é um trabalho feliz, para cima, que fala do amor em todas as suas formas, jeitos e maneiras – Simone dá a pista.

SIMONE na veia é o primeiro disco de canções inéditas da intérprete em cinco anos – o último foi Baiana da Gema, de 2004, no qual homenageou Ivan Lins. Pela primeira vez trabalha com Rodolfo Stroeter, que divide com Simone a produção e a direção musical do CD: “ Eu sempre estou ligada em tudo o que acontece na feitura do disco, mesmo quando eu não assino, estou produzindo junto”, relata a cantora. O resultado é completamente distinto de seus trabalhos anteriores, mas com cara de Simone. O amor, um dos assuntos mais constantes na discografia da intérprete, também predomina em Na Veia, mas sob um enfoque mais amplo: não coincidentemente, a mulher, o sujeito principal das canções aqui, expõe livremente seus desejos, seduz, põe fim à relação e também anseia por liberdade. Tanto as composições quanto a interpretação precisa e sutil conferem uma abordagem contemporânea e atual ao tema mais recorrente no cancioneiro do Brasil.

E o amor vem pelas mãos de compositores em sua maioria já gravados pela intérprete. Em contraponto, o disco abre com Love, de Paulo Padilha, compositor pouco conhecido e estreante na voz de Simone. Adriana Calcanhotto comparece com duas: Definição da Moça (sobre um texto de Ferreira Gullar) e Certas Noites (com Dé Palmeira). Na última, versos como “Certas noites eu sou só do samba, eu sou da orgia/ Nessas noites você não me encontra, meu bem/ Nem dentro da lei/ Às vezes eu vou deixar a razão pela folia” radiografam a mulher de hoje, independente e decidida nas relações. Em díptico também aparece Erasmo Carlos, seja na inconformada Migalhas, ou na ternura de Hóstia, esta em parceria com Marcos Valle – “Apesar de já ter gravado o Erasmo meninão, fiquei muito feliz quando recebi esses presentes maravilhosos. Ele mandou duas e eu gravei as duas”.

Autor de clássicos na voz de Simone, como Jura Secreta e Alma, Abel Silva também contribui com uma inédita, Pagando Pra Ver, um blues feliz ‟ segundo ele próprio, em parceria com Nonato Luis. Martinho da Vila, a quem a “Cigarra” já dedicou um disco inteiro na década de 90, também traz a novíssima Na Minha Veia (com Zé Catimba), faixa de onde foi extraído o título do disco. E Na Veia segue na cadência do samba com Paulinho da Viola, que marca presença com Ame (“esta canção é tudo que eu acho e acredito do amor”, contextualiza a cantora). Além de Ame, apenas Geraldinos e Arquibaldos e Deixa eu Te Amar (Agepê/Ismael Camillo/ Mauro Silva) haviam sido gravadas anteriormente – mas continuavam inéditas na voz da cantora – no caso da última, um sucesso de Agepê, que aqui aparece completamente despida e renovada, e chega até a parecer um clássico de… Simone.

Completam o repertório uma inédita de Marina, Bem Pra Você (também com Dé Palmeira), e uma composição da própria Simone, em parceria com Hermínio Bello de Carvalho, de 73, que permaneceu inédita até agora: “Vale a Pena Tentar eu fiz há muito tempo, tanto a melodia quanto a letra, e pedi para o Herminio terminar o texto. Mas prefiro cantar”.
SIMONE na veia atesta, após 36 anos de carreira, o gosto que a “Cigarra” tem em cantar, e o quanto este prazer permeia cada poro deste disco, tornando-o, acima de tudo, um disco de Simone.