ELÔ BARONTINI, A DESPEDIDA


Elody Barontini, ou apenas Elô – violonista, compositora, produtora musical – amiga amada de Simone, na tarde de ontem (25) ela nos deixou, faleceu em São Bernardo do Campo (SP).

CAFé SIMONE pedaços | 25.05.2019

Elô Barontini – Foto: Reprodução Facebook

Foi pelas mãos de Elô que Simone iniciou sua carreira como cantora, ela foi sua professora de violão e grande incentivadora, caminhou ao seu lado em seus primeiros e fundamentais passos na vida artística. No teste que Simone fez para a gravadora Odeon, em 1972, Elô a acompanhou ao violão e em vários momentos da longa caminhada.

Descanse em paz, Elô,
Gratidão eterna,
Saudades.


Quando acompanhamos a trajetória de um artista, o seu nome nunca vem só, isolado – em seu caminho há vários “nós” e vários nós.

Quando acompanhamos a trajetória da artista Simone, um desses “nós” é Elody Barontini – nem sempre com o cuidado jornalístico da grafia correta de seu nome, às vezes Helô, Elodir, Elodi, Elodyr, Elo – mas sempre marcado, citado por Simone, com gratidão, em entrevistas de 1973, 1993 ou 2013… e a cada referência, a certeza (para quem lê ou escuta) de que é relação “como um nó bem dado, como um cipó , que ninguém consegue nunca desatar” – essa música é do Milton Nascimento e do Fernando Brant (já gravada por Simone) a quem pedimos essa frase “emprestada” para ilustrar esses elos artísticos indissociáveis, são nós bem dados e eternos, são “links” que fazemos a partir de uma referência e vamos assim ampliando visões, sensibilidades.
Por tudo isso, nosso pesar pela partida de Elô – que faleceu ontem (25) – e nossa gratidão por nos ter trazido Simone.
No vídeo, Elô conta um pouco sobre o início da carreira de Simone (Arquivo Confidencial, Domingão do Faustão, Globo, 1995).

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por SIMONE pedaços (@simonepedacos) em


 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Quando acompanhamos a trajetória de um artista, o seu nome nunca vem só, isolado – em seu caminho há vários “nós” e vários nós. Quando acompanhamos a trajetória da artista Simone, um desses “nós” é Elody Barontini – nem sempre com o cuidado jornalístico da grafia correta de seu nome, às vezes Helô, Elodir, Elodi, Elodyr, Elo – mas sempre marcado, citado por Simone, com gratidão, em entrevistas de 1973, 1993 ou 2013… e a cada referência, a certeza (para quem lê ou escuta) de que é relação “como um nó bem dado, como um cipó , que ninguém consegue nunca desatar” – essa música é do Milton Nascimento e do Fernando Brant (já gravada por Simone) a quem pedimos essa frase “emprestada” para ilustrar esses elos artísticos indissociáveis, são nós bem dados e eternos, são “links” que fazemos a partir de uma referência e vamos assim ampliando visões, sensibilidades. Por tudo isso, nosso pesar pela partida de Elô – que faleceu ontem (25) – e nossa gratidão por nos ter trazido Simone. 📽 No vídeo, Elô conta um pouco sobre o início da carreira de Simone (Arquivo Confidencial, Domingão do Faustão, 1995). . #Elô #ElodyBarontini #ElôBarontini #Simone #SimoneCigarra  #SimoneCantora #Cigarra #CantoraSimone #CigarraSimone #SimoneBittencourtDeOliveira  #MPB #CaféSimonePedaços #SimonePedaços . CAFé SIMONE pedaços ☕⭐🎶 SIMONEPEDACOS.COM

Uma publicação compartilhada por SIMONE pedaços (@simonepedacos) em