ALMA


Há almas que têm
As dores secretas
As portas abertas
Sempre pra dor
Há almas que têm
Juízo e vontades
Alguma bondade
E algum amor
Há almas que têm
Espaços vazios
Amores vadios
Restos de emoção
Há almas que têm
A mais louca alegria
Que é quase agonia
Quase profissão
A minha alma tem
Um corpo moreno
Nem sempre sereno
Nem sempre explosão
Feliz esta alma
Que vive comigo
Que vai onde eu sigo
O meu coração
 
ALMA (1982)
Música: Sueli Costa – Letra:  Abel Silva
Gravada por Simone no álbum CORPO E ALMA (1982)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


 


ALMA, POR SUELI COSTA
 

 

O compositor Abel Silva escreveu duas letras e as ofereceu à parceira Sueli Costa para que ela as musicasse. “Abel me deu as duas letras: ‘Corpo’ e ‘Alma’, afirma Sueli Costa. “Quando fui ler as letras, vi que ‘Corpo’ daria um belo bolero, e ‘Alma’ … foi estranho. Comecei a ler a letra e ouvi a música inteira, com arranjo e tudo. Fiquei muito assustada, pensando ser de autoria de alguma pessoa conhecida, Chico (Buarque), Ivan (Lins), e fiquei na minha, não disse nada ao Abel.”Algum tempo depois, Abel perguntou para Sueli se ela tinha gostado das letras. Sueli respondeu que já estava terminando a melodia de ‘Corpo’ e que depois faria ‘Alma’. “Meu medo era de que aquela música não fosse minha”, disse Sueli receosa de estar plagiando algum colega.

Naquela semana a cantora Simone participara de uma festa comemorativa ao Dia do Trabalhador, 1o. de Maio, onde cantou ‘Pra não dizer que não falei de flores’, de Geraldo Vandré, bastante emocionada, levando a platéia do Estádio do Morumbi ao delírio. Sueli, que havia assistido ao show, também se emocionou.

Esquivando-se de uma explicação esotérica, Sueli Costa atribui ‘Alma’ ao desempenho a cantora baiana. “Acho que fiquei impressionada com Simone e a música veio muito pela performance dela. Depois vi que a música não era de ninguém mesmo, ou melhor, era um presente de Deus ou das almas”.
 


Junto com Abel Silva, Sueli foi a casa de Simone. Quando eles lhe mostraram a música, ela andava pela casa, gritando: “a minha alma tem…”, como se estivesse se apropriando da música. Simone falou, ‘eu vou gravar as duas músicas no mesmo disco, e meu disco vai se chamar ‘Alma”.Quando Abel Silva leu a história de “Alma” contada (acima) por Sueli Costa (para o livro ‘Então foi assim?’, Ruy Godinho, 2008) ficou surpreso, por não conhece-la, e contou a sua própria história relacionada à música: “Eu cheguei em casa um dia e abri um livro do Federico Garcia Lorca, numa página qualquer, aleatoriamente, e li o título de um poema – ‘Hay almas que tienen‘ – e eu falei, já basta pra mim, vou fazer um poema com esse mote: ‘Há almas que têm isto, há almas que têm aquilo…’ … e saiu fazendo a letra da música.

Depois da gravação de Simone e do sucesso que a música fez, Abel falou um dia “agora eu vou ter coragem de ler o poema de Federico Garcia Lorca para ver o quanto ele me influenciou só com o título da obra (poema) dele”. Ele então procurou naquele livro todas as poesias, todos os poemas, procurou no índice e nada encontrou. Ele chamou um pesquisador, especialista na obra de Garcia Lorca e pediu que este procurasse um poema que começasse com ‘Hay almas que tienen‘ . Até hoje ele não conseguiu encontrar (sic)* … Assim nasceu a música ‘Alma’ de Sueli Costa e Abel Silva.
(Ruy Godinho – em vídeo -, lançamento do livro “Então foi assim?”, 2008)

 

* ESCLARECIMENTO: O referido poema de Federico Garcia Lorca –  “Hay almas que tienen’– que serviu de inspiração para Abel Silva compor a música “Alma”, não é uma mensagem “do além”, ele foi escrito pelo poeta espanhol em 8 de fevereiro de 1920, publicado originalmente EM “Libro de Poemas”, de 1921.
 

ALMA, POR ABEL SILVA
 

 

HAY ALMAS QUE TIENEM
8 de Febrero de 1920
‘Libro de Poemas’, 1921
FEDERICO GARCIA LORCA
 
 

 

Hay almas que tienen
azules luceros,
mañanas marchitas
entre hojas del tiempo,
y castos rincones
que guardan un viejo
rumor de nostalgias
y sueños.
Otras almas tienen
dolientes espectros
de pasiones. Frutas
con gusanos. Ecos
de una voz quemada
que viene de lejos
como una corriente
de sombra. Recuerdos
vacíos de llanto
y migajas de besos.
Mi alma está madura
hace mucho tiempo,
y se desmorona
turbia de misterio.
Piedras juveniles
roídas de ensueño
caen sobre las aguas
de mis pensamientos.
Cada piedra dice:
“¡Dios está muy lejos!”
 
Federico Garcia Lorca

 


VÍDEOS

SIMONE – ALMA (Sueli Costa e Abel Silva)
Videoclipe Fantástico | Rede Globo | 31.10.1982

 
SIMONE – ALMA (Sueli Costa e Abel Silva) | Show É MELHOR SER
Teatro do Complexo Ohtake Cultural, São Paulo (SP ),09.11.2013