ALMA


 

Há almas que têm
As dores secretas
As portas abertas
Sempre pra dor

 
Há almas que têm
Juízo e vontades
Alguma bondade
E algum amor

 
Há almas que têm
Espaços vazios
Amores vadios
Restos de emoção

 
Há almas que têm
A mais louca alegria
Que é quase agonia
Quase profissão

 
A minha alma tem
Um corpo moreno
Nem sempre sereno
Nem sempre explosão

 
Feliz esta alma
Que vive comigo
Que vai onde eu sigo
O meu coração
 
ALMA (1982)
Música: Sueli Costa – Letra:  Abel Silva
Gravada por Simone no álbum CORPO E ALMA (1982)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


 


ALMA, POR SUELI COSTA
 

 

O compositor Abel Silva escreveu duas letras e as ofereceu à parceira Sueli Costa para que ela as musicasse. “Abel me deu as duas letras: ‘Corpo’ e ‘Alma’, afirma Sueli Costa. “Quando fui ler as letras, vi que ‘Corpo’ daria um belo bolero, e ‘Alma’ … foi estranho. Comecei a ler a letra e ouvi a música inteira, com arranjo e tudo. Fiquei muito assustada, pensando ser de autoria de alguma pessoa conhecida, Chico (Buarque), Ivan (Lins), e fiquei na minha, não disse nada ao Abel.”Algum tempo depois, Abel perguntou para Sueli se ela tinha gostado das letras. Sueli respondeu que já estava terminando a melodia de ‘Corpo’ e que depois faria ‘Alma’. “Meu medo era de que aquela música não fosse minha”, disse Sueli receosa de estar plagiando algum colega.

Naquela semana a cantora Simone participara de uma festa comemorativa ao Dia do Trabalhador, 1o. de Maio, onde cantou ‘Pra não dizer que não falei de flores’, de Geraldo Vandré, bastante emocionada, levando a platéia do Estádio do Morumbi ao delírio. Sueli, que havia assistido ao show, também se emocionou.

Esquivando-se de uma explicação esotérica, Sueli Costa atribui ‘Alma’ ao desempenho a cantora baiana. “Acho que fiquei impressionada com Simone e a música veio muito pela performance dela. Depois vi que a música não era de ninguém mesmo, ou melhor, era um presente de Deus ou das almas”.
 
(Trecho extraído do livro “Então foi assim?”, de Ruy Godinho, 2008)


Junto com Abel Silva, Sueli foi a casa de Simone. Quando eles lhe mostraram a música, ela andava pela casa, gritando: “a minha alma tem…”, como se estivesse se apropriando da música. Simone falou, ‘eu vou gravar as duas músicas no mesmo disco, e meu disco vai se chamar ‘Alma”.Quando Abel Silva leu a história de “Alma” contada (acima) por Sueli Costa (para o livro ‘Então foi assim?’, Ruy Godinho, 2008) ficou surpreso, por não conhece-la, e contou a sua própria história relacionada à música: “Eu cheguei em casa um dia e abri um livro do Federico Garcia Lorca, numa página qualquer, aleatoriamente, e li o título de um poema – ‘Hay almas que tienen‘ – e eu falei, já basta pra mim, vou fazer um poema com esse mote: ‘Há almas que têm isto, há almas que têm aquilo…’ … e saiu fazendo a letra da música.

Depois da gravação de Simone e do sucesso que a música fez, Abel falou um dia “agora eu vou ter coragem de ler o poema de Federico Garcia Lorca para ver o quanto ele me influenciou só com o título da obra (poema) dele”. Ele então procurou naquele livro todas as poesias, todos os poemas, procurou no índice e nada encontrou. Ele chamou um pesquisador, especialista na obra de Garcia Lorca e pediu que este procurasse um poema que começasse com ‘Hay almas que tienen‘ . Até hoje ele não conseguiu encontrar (sic)* … Assim nasceu a música ‘Alma’ de Sueli Costa e Abel Silva.
(Ruy Godinho – em vídeo -, lançamento do livro “Então foi assim?”, 2008)

 

* ESCLARECIMENTO: O referido poema de Federico Garcia Lorca –  “Hay almas que tienen’ – que serviu de inspiração para Abel Silva compor “Alma” – não é uma mensagem “do além”, ele foi escrito pelo poeta espanhol em 8 de fevereiro de 1920, publicado originalmente em “Libro de Poemas”, de 1921.
 

ALMA, POR ABEL SILVA
 

 

HAY ALMAS QUE TIENEM
8 de Febrero de 1920
‘Libro de Poemas’, 1921
FEDERICO GARCIA LORCA
 
 

 

Hay almas que tienen
azules luceros,
mañanas marchitas
entre hojas del tiempo,
y castos rincones
que guardan un viejo
rumor de nostalgias
y sueños.
Otras almas tienen
dolientes espectros
de pasiones. Frutas
con gusanos. Ecos
de una voz quemada
que viene de lejos
como una corriente
de sombra. Recuerdos
vacíos de llanto
y migajas de besos.
Mi alma está madura
hace mucho tiempo,
y se desmorona
turbia de misterio.
Piedras juveniles
roídas de ensueño
caen sobre las aguas
de mis pensamientos.
Cada piedra dice:
“¡Dios está muy lejos!”
 
Federico Garcia Lorca

 


VÍDEOS

SIMONE – ALMA (Sueli Costa e Abel Silva)
Videoclipe Fantástico | Rede Globo | 31.10.1982

 
SIMONE – ALMA (Sueli Costa e Abel Silva) | Show É MELHOR SER
Teatro do Complexo Ohtake Cultural, São Paulo (SP ),09.11.2013