SHOW SEDUÇÃO (1989)

  Apresentação | Roteiro | MúsicosFicha Técnica | Simone fala | FigurinosLugares | Imprensa | Vídeos | Fotos | Disco   


show SEDUÇÃO

Com Simone
Estréia: 19 De Janeiro De 1989
Local: Scala I, Rio De Janeiro RJ
Show dedicado a Flávio Rangel

 

APRESENTAÇÃO | Sedução Explícita
A cantora Simone levou ao pé da letra o título do seu último show, SEDUÇÃO, o mesmo do seu disco (…) Em extraordinária forma física e canora, a artista se auto-dirigindo pela primeira vez (seu diretor mais constante era o falecido Flávio Rangel) realiza o melhor espetáculo de sua carreira num show enxuto, com roteiro perfeito, uma banda (poderia abaixar o volume somente) à altura da cantora e iluminação idem, que também pode melhorar pois em alguns momentos é muito escura, seduzindo a enlouquecida platéia com as 17 composições acrescidas de quatro bis. Merecidos.
Vestida em renda branca – como sempre o branco predomina até no fio do microfone – por Luís de Freitas, Simone inicia seu SEDUÇÃO cantando a deslumbrante CAIS, de Milton Nascimento e Ronaldo Bastos, quase à capela, já arrepiando o público, pois ela nunca cantou tão bem. Seguindo por um clássico de Ary Barroso: ISSO AQUI O QUE É (…) Interpretada pela cantora de tamborim na mão, apoiada pela banda e reforçada pelos ritmistas da Escola de Samba Caprichosos de Pilares, é número dos mais bonitos, uma constante do show onde Simone garimpou o que há de melhor em seu repertório. Como ME CHAMA, de Lobão, com destaque para o solo de sax de Vinícius Dorin, também um claque na flauta, seguida de KALU, de Humberto Teixeira, clássico de Dalva de Oliveira recriado com competência.
 

Simone no show SEDUÇÃO, 1989
Foto: Divulgação

AMEI DEMAIS, de Sullivan e Massadas, presente no novo disco, nada acrescenta, mas IOLANDA, de Pablo Milanes e (versão) de Chico Buarque, sim. Com direito ao coral formado pelo público assim como no samba-enredo O AMANHÃ, de João Sérgio, com direito à ótima mini-bateria da Caprichosos. Mas é na décima canção que Simone começa a realizar a melhor parte do seu show nas emocionadas interpretações de EU SEI QUE VOU TE AMAR, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, acompanhada só pelos teclados num dos momentos mais bonitos de SEDUÇÃO, Seguida da não menos deslumbrante O MUNDO É UM MOINHO, de mestre Cartola, e GOTA D’ÁGUA do não menos mestre Chico Buarque.
Mas é cantando Cazuza que Simone surpreende não só pelos quase novos arranjos como pelas doloridas e lindíssimas interpretações para CODINOME BEIJA-FLOR, de Reinaldo Arias, Cazuza e Ezequiel Neves, BLUES DA PIEDADE, de Frejat e Cazuza, transformada ao final num em lindíssimo cantochão, acompanhada de O TEMPO NÃO PÁRA, de Cazuza e Arnaldo Brandão. Nessa música ela tira o bolero, pega sua guitarra e se solta nos sensacionais versos de Arnaldo Brandão e Cazuza, mesclados a alguns versos de ÁGUAS DE MARÇO, de Tom Jobim, como “é pau é pedra, é o fim do caminho”. Pode soar estranho, mas escute, pois ficou o máximo. Assim como É, de Gonzaguinha, onde os versos “a gente que viver uma nação/ a gente que é ser um cidadão…” são reafirmados à capela por uma emocionada cantora que tem que voltar mais quatro vezes devido à insistência do público. Cantando o sensacional samba DISPUTA DO PODER, – que deveria encerrar o show em vez de ser o bis – assinado por Almir de Araújo, Marquinhos Lessa, Hércules Correa e Balinha, seguida de O TEMPO NÃO PÁRA, É, além da famigerada SEPARAÇÃO, de José Augusto e Paulo Sérgio Valle. Mas o saldo final é dos melhores e Simone faz inteira justiça ao título do show e aos versos de CAIS: “para quem quer me seguir/ eu quero mais/ tenho o caminho do que sempre quis/ e um saveiro pronto pra partir/ invento o cais/ e sei a vez de me lançar…”.
[Diana Aragão, O Globo, 17.01.1988]
 


SEDUÇÃO NA TELEVISÃO
 

Show com Simone gravado na casa de espetáculos Palace, em São Paulo, e exibido em 09/05/1989 na Rede Globo, mostrou parte do show SEDUÇÃO, então em cartaz. O especial, que teve cenários de Mário Monteiro e iluminação de Peter Gasper e Luiz Carlos Bimbão, contou com a participação de 16 ritmistas da escola de samba carioca Caprichosos de Pilares, sob o comando do mestre Paulinho, e de Milton Nascimento, em estúdio. Um dos blocos do programa foi dedicado ao cantor e compositor Cazuza. Ela fez uma homenagem ao artista cantando músicas de sua autoria, como Blues da Piedade, O tempo não pára e Codinome Beija-Flor. Uma cuidadosa edição de imagens do especial, realizada por João Paulo de Carvalho, fundiu imagens de Simone no palco e em estúdio. O programa teve direção de Roberto Talma.
[Texto com informações do Site Memória Globo]


IMPRENSA

icon-imprensa-1988seducao

A rebelião de Simone – (…) Simone tem bela voz, a produção do espetáculo, competente, lhe forneceu bons músicos e uma ala da bateria da Escola de Samba Caprichosos de Pilares, com 15 instrumentistas e um mestre, que esquenta a coisa nos momentos necessários (…)
Simone abre a primeira parte com 40 minutos de atraso e CAIS, de Milton nascimento e Ronaldo Bastos, gravada por ela no LP VÍCIO, de 87. Do VÍCIOS ela extrai ainda PÉTALA (de Djavan) e ME CHAMA (de Lobão). De seu último LP, o SEDUÇÃO que dá nome ao show, canta as pífias SEPARAÇÃO (José Augusto e Paulo Sérgio Valle) e AMEI DEMAIS (dos inefáveis Sullivan $ Massadas), além da bela CODINOME BEIJA-FLOR (Reinaldo Arias, Cazuza e Ezequiel Neves) e KALU (Humberto Teixeira). Dedica o show ao falecido Flávio Rangel, seu ex-diretor, e as luzes se apagam para que ela navegue por EU SEI QUE VOU TE AMAR (Tom e Vinícius) enquanto o teclado elétrico faz um fake de piano e a guitarra de Natan um fake de violão. Bonita, a coisa. Como é bonita O MUNDO É UM MOINHO, de Cartola, levada lentamente na guitarra e na flauta (…)
Um coro grave e imponente abre BLUES DA PIEDADE e ela declara através da música de Frejat e Cazuza: “Agora eu vou cantar pros miseráveis/ que vagem pelo mundo derrotados/ pra essas sementes mal plantadas/ que já nascem com cara de abortadas” (…)
[Paulo Adário, Jornal do Brasil, 21.01.1989]
 

Simone no show SEDUÇÃO, Portugal, 1989
Foto: Eulália Moreno
 
Simone descobre a simplicidade – Aplaudida pela crítica cariosa em sua recente temporada no Scala I, Simone traz agora para São Paulo o show SEDUÇÃO (…) Pela primeira vez se autodirigindo, depois de oito anos consecutivos sob a direção do amigo Flávio Rangel, Simone optou por um espetáculo simples (…)
Como a simplicidade norteou toda a proposta de SEDUÇÃO, todos os retornos foram embutidos e o público não vê caixas de som pelo palco – que também não comporta cenário especial (…)
A parte que poderia ser chamada de política inclui É, de Gonzaguinha; BLUES DA PIEDADE, de Frejat e Cazuza; o rock O TEMPO NÃO PÁRA, de Cazuza e Arnaldo Brandão; GOTA D’ÁGUA, de Chico Buarque; e o samba DISPUTA DO PODER, quando é acompanhada pela bateria da Caprichosos de Pilares (…)
Movida à energia de seu público, Simone afirma que na elaboração do roteiro recebeu “uma mãozinha” de Flávio Rangel (…) A contribuição espiritual do amigo está presente no pout-pourri de LÍGIA (Tom Jobim), IOLANDA (Pablo Milanes, versão de Chico Buarque) e ALFONSINA Y EL MAR (Félix Luna/Ariel Ramirez), três músicas com nomes de mulheres. O Flávio sempre quis que ela cantasse isso.
A idéia de encerrar O TEMPO NÃO PÁRA (Cazuza/ Arnaldo Brandão) com um trechinho de ÁGUAS DE MARÇO, de Tom Jobim (“é pau, é pedra, é o fim do caminho”), surgiu no estúdio. Foi acidental.
(…) Simone veste no show um modelo de Luiz de Freitas (…)
 
LANÇAMENTO DO ÁLBUM “SEDUÇÃO – Comemorando 15 anos de carreira, ela gravou no disco (que leva o mesmo nome do show e foi lançado em novembro passado (1988) pela CBS), entre outros, Lobão, Caetano Veloso, José Augusto e Paulo Sérgio Valle.
DIFICULDADE DE NOVAS MÚSICAS – Como uma cantora popular – que hoje atinge várias camadas sociais -, Simone diz que “infelizmente” não tem tido a sorte de encontrar músicas novas para gravar. “Todo ano me proponho a ouvir centenas de músicas”, explica ela. “Quanto mais compositores novos aparecer melhor pra mim.”
ESPIRITUALIDADE e SUPERSTIÇÃO – Simone acha que evoluiu como intérprete e também como ser humano. tanto que agora o guru Trancoso não é mais seu guia espiritual. Supersticiosa ao extremo, acha que é preciso enfrentar certas manias.
[Fernanda Teixeira, Folha da Tarde, 30.03.1989]
 
Simone no show SEDUÇÃO, 1989
Foto: Divulgação
 


 
SIMONE FALA SOBRE O SHOW
 
“O desejo era que a iluminação vestisse o show. A experiência da direção valeu a pena, mesmo sendo difícil e complicado. Me perturbou, principalmente pela morte de Flávio (Rangel). Eu poderia ter colocado mais energia no meu trabalho e fiquei, inclusive, sem tempo para ensaiar.
O show é muito gostoso de fazer, um retrato do Brasil. Em nenhum momento ele é “down”. Também tem a parte romântica, que fala de amor. Tenho certeza de que meus fãs vão gostar”.

[Folha da Tarde, 30.03.1989]


FIGURINOS
Criação: Luiz de Freitas
 

Fotos: Acervo Sandra Duarte/ Folha de S. Paulo/ Acervo Sonho&Realidade
 
Simone no show SEDUÇÃO, 1989
Foto: Divulgação

 

 

ROTEIRO
[Baseado em imprensa e especial para a TV]


1. Cais
(Milton Nascimento/Ronaldo Bastos)
2. Isso aqui o que é
(Ary Barroso)
3. Pétala
(Djavan)
4. Me Chama
(Lobão)
5. Kalú
(Humberto Teixeira)
6. Amei demais
(Paulo Massadas/Michael Sullivan)
7. Iolanda
(Pablo Milanes – versão: Chico Buarque)
8. Alfonsina y el mar
(Félix Luna/Ariel Ramirez)
9. Lígia
(Tom Jobim)
10. O amanhã
(João Sérgio)
11. Eu sei que vou te amar
(Tom Jobim/Vinícius de Moraes)
12. O mundo é um moinho
(Cartola)
13. Gota d´água
(Chico Buarque)
14. Codinome Beija-Flôr
(Reinaldo Arias/Ezequiel Neves/Cazuza)
15. Blues da piedade
(Cazuza/Roberto Frejat)
16. O tempo não pára/ Águas de março
(Cazuza/Arnaldo Brandão – Tom Jobim)
17. É
(Gonzaga Jr.)
18. Disputa do poder
(Almir de Araújo/Marquinho Lessa/Hércules Correa/Balinha)
19. Separação
(Paulo Sergio Valle/José Augusto)
20. O tempo não pára
(Cazuza/Arnaldo Brandão)


MÚSICOS

Arranjos, regência e teclados: Ricardo Leão
Teclados: Alberto Rosenblit
Guitarra: Natan Marques
Baixo: Jorjão
Sax e Flauta: Vinicius Dorin
Bateria: Maguinho
Percussão: Clodoaldo
 
Participação especial da Bateria da Escola de Samba Caprichosos de Pilares sob a regência de Mestre Paulinho.

 
FICHA TÉCNICA

Direção: Simone
Iluminação: Peter Gasper e Bimbão
Cenografia: Mario Monteiro
Coordenação de Produção: Paulo Rosa
Figurinos: Luiz de Freitas

 
Simone no show SEDUÇÃO, 1989
Foto: Divulgação
 
 
DISCO 

SEDUÇÃO
[CBS, 1988]

Divulgação do álbum SEDUÇÃO, lançado em outubro de 1988.
 
[Acervo Sandra Duarte]


FOTOS [construindo] 1988-ICON-seducao


LUGARES

A estréia do show SEDUÇÃO foi no Scala I, Rio de Janeiro.
[Fotos: Internet]


Divulgação do show SEDUÇÃO no Scala I, Rio de Janeiro.

 

Ingresso para o show SEDUÇÃO no Ginásio do Ibirapuera, São Paulo.

 


VÍDEOS

SIMONE ESPECIAL – Globo, 1989
 

 
Alguns momentos de SEDUÇÃO
 
[EM CONSTRUÇÃO]