SHOW SONHO E REALIDADE (1995)

  Apresentação | Roteiro | MúsicosFicha Técnica | Simone fala | FigurinosLocal, Ingresso e Divulgação | Imprensa | Vídeos | Fotos | Programa | Disco   


show SONHO E REALIDADE

Com Simone
Estréia: 13 De Julho De 1995
Local: Metropolitan, Rio De Janeiro RJ

 

APRESENTAÇÃO
“Sonho que se sonha só
é só um sonho que se sonha só,
mas sonho que se sonha junto
é realidade”

 
Este pequeno trecho (PRELÚDIO, de Raul Seixas) que fecha as doze faixas do disco SIMONE BITTENCOURT DE OLIVEIRA, foi o início para a concepção deste espetáculo.
Este delicado roteiro desnuda de forma quase autobiográfica a história de Simone, projeta sua sensibilidade, sentimentos e vivências. Profissional de extrema competência, Simone conhece com profundidade a sua arte. Supera seus diretores, marcando o ritmo, as entonações e nuances do espetáculo, comandando músicos e ritmistas. Detalhista, repete incansavelmente pequenas passagens melódicas até sentir a segurança para soltar o seu canto. Um canto que se distingue pela elegância do enunciado e pela intenção das inflexões. Simone exata, sensual, romântica, fina e sofisticada.
[Programa do show, julho de 1995]

O contrabaixista Jorjão Carvalho e Simone no show “Sonho e Realidade” – Palace, São Paulo, 1995
Foto: Acervo Kátia de Paula

 
Simone me disse que queria falar do limite entre sonho e realidade. E é sobre isso que versa o meu trabalho, seja em teatro, dança ou em música. Essa ideía acabou batizando o espetáculo, porque é também o tema de PRELÚDIO, a música que fecha o disco e abre o show. O roteiro faz um percurso que leva a um bloco final em que o sonho deixa de ser individual e remete ao coletivo. Pode significar a realização de um sonho ou a constatação de que algo que você gostaria que fosse realidade não passa de um sonho.
[José Possi Neto – Diretor do show, O Globo, 06.071995]
 

Simone e José Possi Neto, 1995
Foto: Acervo Sandra Duarte

 


IMPRENSA

icon-imprensa-1995sonhoerealidade

Simone sonha no Metropolitan – Depois de dois anos, Simone volta à cena hoje, no palco do Metropolitan. Como sempre, vestida de branco, mas envolvida em um novo aparato teatral. “São imagens oníricas dela que filmei em 16 milímetros. Algumas de semi-nudez. Elas são projetadas em três telas semi-transparentes, dando a impressão de uma holografia”, conta José Possi Neto, que assina a direção de SONHO E REALIDADE. Uma cortina de fibra ótica com 40 mil pontos de luz, operada por computador, também é anunciada para o show (…)
O repertório traz sambas de Chico Buarque, canções de Gonzaguinha, versões consagradas na voz de Gil e Caetano (PROCISSÃO E ELEGIA) e PRELÚDIO. Esta composição em quatro versos de Raul Seixas fecha o disco, abre o show e parece ter sido a tônica da concepção de SONHO E REALIDADE (…)
Além de oito das 12 faixas do novo disco, Simone relembra sucessos que são sua marca registrada, como YOLANDA, ALMA, SOB MEDIDA, MARIA, MARIA e O AMANHÃ.
[Mônica Maia, Jornal do Brasil, 13.07.1995]
 
Estrela Romântica – Na semana passada, Simone passou longas horas dentro do estúdio de filmagem da produtora Blow-Up, em São Cristovão, sob o olhar atento do diretor de seu novo show, José Possi Neto (…) Dois anos depois da temporada carioca do show SOU EU, a cantora, de 45 anos, prepara sua volta aos palcos do Rio acompanhada de uma sofisticada produção cênica. “O palco terá uma espécie de passarela de ferro com dois braços, que deverá ganhar formas e volumes diferentes, de acordo com a iluminação”, adianta Possi. 
O lado romântico continua predominando no repertório da cantora, que utilizará apenas um figurino durante o tempo oficial de show, reservando um outro para o bis. Todos, claro, em branco, a única cor que a mística Simone veste quando está no palco (…)
[Paulo Jurgens, IstoÉ, 12.07.1995]
 
Simone impõe sua força cênica – Simone sempre foi uma intérprete de grande força cênica e carisma. A estréia de seu novo show, SONHO E REALIDADE, mostrou que, no palco, ela supera as deficiências dos discos. Se o álbum SIMONE BITTENCOURT DE OLIVEIRA resultou equivocado por causa da produção burocrática de Mazzola, o espetáculo originado do CD apresenta a cantora em grande forma. O diretor José Possi Neto soube, inteligentemente, atuar com discrição para valorizar a figura imponente de Simone. na estréia de anteontem, no Metropolitan, o resultado beirou a perfeição.

O onírico e espacial cenário é belíssimo. O roteiro também impecável, mas é na presença iluminada de Simone que o espetáculo se sustenta. Cada música recebe um interpretação sensível – marca registrada de uma cantora que domina o palco com segurança. ALMA, COMO DOIS E DOIS, IOLANDA e O QUE SERÁ são alguns destaques do romântico repertório. Intercalar os versos de PROCISSÃO com os de MARIA, MARIA é uma idéia genial que deu novo e forte sentido a ambas a letras.

Os sambas da parte final são apresentados com rara elegância. Ao cantar O AMANHÃ, Simone rege simpaticamente o espontâneo coro da platéia. E o melhor é que Simone parece definitivamente livre da estética brega que caracterizou seu trabalho no final dos anos 80. Um sonho que se torna realidade par aos que admiram sua voz emocionada e emocionante.
[Mauro Ferreira, O Globo, 15.07.1995]

 


 
SIMONE FALA SOBRE O SHOW
 
“Esse repertório nós montamos na minha casa, durante quinze dias totalmente enlouquecidos, sem dormir, porque a gente não chegava a uma conclusão, não de divergência, mas de saber que as coisas as vezes eram redundantes. Depois desses quinze dias achamos a espinha dorsal do show, tava pronto, ouvimos muitas coisas. Três músicas do disco novo (SIMONE BITTENCOURT DE OLIVEIRA) não entraram porque realmente não dava, não forçamos nenhuma barra de nenhuma música, (incluímos) algumas coisas que eu já tinha gravado, como o SOB MEDIDA, que vem de disco antigo, o resgate de O QUE SERÁ/ Vivemos numa realidade, mas sem o sonho enlouqueceríamos. Por isso que o show fecha um ciclo. Começa denso, com PRELÚDIO, vai ficando molinho, seduzindo o público, até escancarar no romantismo. Depois dá uma quebrada com uma parte mais ritmada com música como PROCISSÃO E MARIA, MARIA e termina voltando ao PRELÚDIO/ Quando vi a última apresentação do Chico (Buarque) decidi que incluiria nos meus shows QUEM TE VIU, QUEM TE VÊ. A partir daí, fui reunindo o resto do repertório”.
[Programa Metrópolis, agosto 1995/ Imprensa, 1995/ IstoÉ, 12.07.1995]

Simone no show “Sonho e Realidade” – Palace, São Paulo, 1995
Foto: Acervo Kátia de Paula

 


FIGURINOS
Criação: Liz Machado
 


Simone no show “Sonho e Realidade”, 1995
Foto: Acervo Kátia de Paula

 

 

ROTEIRO
[Extraído do programa do show]


1. Luzes da ribalta – Instrumental
(Charles Chaplin)
2. Prelúdio
(Raul Seixas)
3. Quem é você
(Isolda/Eduardo Dusek)
4. Alma
(Suely Costa/Abel Silva)
5. Como dois e dois
(Caetano Veloso)
6. O que será – À flor da pele
(Chico Buarque)
7. Sob medida
(Chico Buarque)
8. Medo de amar nº 2
(Suely Costa/ Tite Lemos)
9. Leão ferido
(Biafra/ Dalto)
10. Iolanda
(Pablo Milanês – versão Chico Buarque)
11. Elegia
(Péricles Cavalcanti/ Augusto de Campos)
12. Eu sei que vou te amar
(Tom Jobim/Vinicius de Moraes)
13. Carinhoso
(João de Barro/Pixinguinha)
14. Danadinho danado
(Martinho da Vila/ Zé Catimba)
15. Procissão
(Gilberto Gil)
16. Maria, Maria
(Milton Nascimento/ Fernando Brant)
17. O amanhã
(João Sérgio)
18. Noite dos mascarados
(Chico Buarque)
19. Prelúdio
(Raul Seixas)


MÚSICOS

Direção Musical e Baixo:
Jorge Luiz Carvalho
Guitarra e Violão:
José Carlos Santos
Teclados:
Carlos Coutinho e João Braga
Sax e Flauta:
Ricardo Pontes
Bateria:
Alexandre Figueiredo
Percussão:
João Firmino
Ritmistas:
Equipe Mestre Paulinho

 
FICHA TÉCNICA

Direção Geral:
Dody Sirena e Cicão Chies
Direção Artística:
José Possi Neto
Gerência Executiva:
Denise Godinho e Simon Fuller
Gerência Business Affairs:
Marcelo Saraiva
Gerência Marketing e Promoção:
Lea Penteado
Assessoria de Imprensa:
Ivone Kassu, Hylde Darosati e Juliana Braga
Cenário:
Cenomax
Criação de Luz:
José Possi Neto e Samuel Betts
Operação de Luz:
Samuel Betts e Márcio Figueiredo
Operação de Som:
Cláudio Coutinho e José Alberto Silva
Produção:
Marcos Soares
Assistentes de Palco:
Mirki De Blasus e Joaquim Ferreira
Roadies:
Macalé e Sidney Amaro
Cabelo e Maquiagem:
Selma Garcia, João Vicente e Milton Martins
Figurinos:
Liz Machado
Gerência Cigarra Produções:
Edson Senna
Assistente Pessoal:
João Vicente



 

DISCO 

SIMONE BITTENCOURT DE OLIVEIRA
[SONY, 1995]


PROGRAMA DO SHOW 
ICON-1995-sonhorealidadeshow-programa


FOTOS 

Relacionadas aos discos “Simone Bittencourt de Oliveira” (Sony, 1995), “25 de dezembro” (Polygram, 1995) e show “Sonho e Realidade (1995)

ICON-FOTOS-ano1995

 


LOCAL, INGRESSO E DIVULGAÇÃO

O show “Sonho e realidade” estreou no Metropolitan, Rio de Janeiro, dia 13.07.1995
[Fotos: Internet]

Ingresso para o show “Sonho e Realidade” no Canecão, Rio de Janeiro, dia 14.10.1995
[Acervo Sandra Duarte]

Divulgação da estréia do show “Sonho e Realidade” no Metropolitan, Rio de Janeiro, dia 13.07.1995 (Jornal O Globo)
[Acervo Sandra Duarte]


VÍDEOS

ALGUNS MOMENTOS DE
“Simone Bittencourt de Oliveira” (disco) e “Sonho e Realidade” (show)

 

ALGUNS MOMENTOS DE
“25 de dezembro” (disco)